SARS-CoV-2 no sêmen de pacientes com COVID-19?

0
123

O que seu médico está lendo no Medscape.com:

07 DE MAIO DE 2020 – O SARS-CoV-2, o vírus causador do COVID-19, pode estar presente no sêmen de pacientes com COVID-19, tanto em recuperação quanto em doença aguda, segundo um pequeno estudo publicado online Hoje em Rede JAMA aberta.

No entanto, vários especialistas alertam que os pesquisadores testaram apenas componentes virais e que os resultados não demonstram infecciosidade. “Não tenho conhecimento de nenhum relato de infecção transmitida sexualmente, portanto, o risco aqui, mesmo que o estudo seja verificado em uma escala maior, é muito limitado”, disse Ian Jones, PhD, professor de virologia da Universidade de Reading, Reino Unido. .

Outros especialistas observam que o artigo publicado possui poucas informações sobre metodologia e contexto. “Não estou dizendo que eles estão errados, mas têm vergonha de detalhes”, disse Maureen Ferran, PhD, professor associado de biologia do Instituto de Tecnologia de Rochester, Nova York. Ela observa que, embora os autores digam que usaram a reação em cadeia da polimerase com transcrição reversa (RT-PCR) para detectar RNA viral de swabs nasais para confirmar a infecção, eles não dizem o que fizeram para detectar vírus no sêmen, deixando os leitores suporem que também utilizou RT-PCR para testar essas amostras.

Um porta-voz da JAMA a assessoria de imprensa esclareceu que os autores usaram RT-PCR para detectar RNA viral no sêmen; os autores não responderam a vários pedidos de e-mail para comentar.

“É revisado por pares, mas todo mundo está tentando divulgar tudo tão rápido que algumas coisas estão sofrendo”, continuou Ferran. Ela observou que ficou surpresa por os autores não mencionarem outros estudos que mostraram resultados conflitantes.

No novo estudo relatado, o SARS-CoV-2 foi detectado no sêmen de 6 (15,8%) dos 38 pacientes testados. Todos os pacientes confirmaram o COVID-19.

A descoberta pode ter implicações na prevenção e controle do COVID-19, observam os autores do estudo, liderados por Diangeng Li, PhD, do Hospital Geral do Exército de Libertação do Povo Chinês, Pequim, China.

“Devido às barreiras imperfeitas dos testículos / deferentes / epidídimos, o SARS-CoV-2 pode ser semeado no trato reprodutivo masculino, especialmente na presença de inflamação local sistêmica”, escrevem os autores.



Fonte: www.webmd.com

Deixe uma resposta