Por que os resultados do teste COVID demoram tanto

0
62

14 de janeiro de 2022 – À medida que a variante Omicron varreu os EUA, agora responsável por mais de 98% das infecções por COVID-19, a demanda por testes em laboratórios disparou – especialmente porque os testes de antígenos domésticos são escassos.

Também estão aumentando as reclamações dos participantes do teste, que ecoam essa pergunta ansiosa:

O que está demorando tanto para os resultados?

Os tempos de resposta prometidos de 24 a 48 horas estão se estendendo para vários dias, pois as pessoas se perguntam se devem isolar ou continuar com sua programação regular.

O aumento do volume é um dos principais motivos, é claro, mas não o único.

“Você ficaria surpreso com os atrasos de tempo”, diz Dan Milner, MD, diretor médico da Sociedade Americana de Patologia Clínica, uma organização para profissionais de laboratório.

A jornada do swab nasal – desde o ponto de coleta até os resultados do teste que chegam por texto ou e-mail – é mais complicado e complicado do que a maioria das pessoas imagina, dizem Milner e outros especialistas. As muitas etapas ao longo do caminho, bem como a equipe e outros problemas, incluindo surtos de COVID-19 entre a equipe do laboratório, podem atrasar o tempo de resposta dos resultados.

Primeiro, a questão do volume

Estatísticas nacionais, bem como registros diários de laboratórios individuais, refletem o boom nas solicitações de testes.

Em 11 de janeiro, a média de testes de COVID-19 nos EUA atingiu quase 2 milhões por dia, um aumento de 43% em um período de 14 dias.

Em 12 de janeiro, a Quest Diagnostics, um laboratório clínico com mais de 2.000 locais de pacientes nos EUA, registrou 67,6 milhões de testes de COVID desde que lançou o serviço em 2020. Isso foi um aumento de cerca de 3 milhões desde 21 de dezembro, quando o total foi 64,7 milhões.

No Laboratório de Microbiologia Clínica da UCLA, mais de 2.000 testes COVID são processados ​​diariamente agora, em comparação com 700 ou 800 há um mês, diz Omai B. Garner, PhD, diretor de microbiologia clínica do UCLA Health System. E ele não acredita que a demanda tenha atingido o pico.

Em Tucson, AZ, na Paradigm Site Services, que contrata governos locais, empresas e outros para fornecer testes, são feitos 4.000 testes por dia, em comparação com uma contagem diária de 1.000 no início de novembro, diz Steven Kelly, CEO.

Além do volume, existem outras barreiras que impedem o tempo de resposta pretendido.

Coleta de cotonetes, coleta, transporte

“As pessoas entendem mal todo o processo”, diz Garner. Um grande equívoco é que o swab é analisado logo no ponto de coleta. Isso geralmente não é verdade – com alguns sites de teste de PCR rápidos (e caros) às vezes a exceção.

Feita a coleta nasal, o espécime é selado em um tubo e enviado para um laboratório. Pode ser levado por correio para um laboratório local próximo, ou pode ser enviado para muito mais longe, especialmente se for coletado em uma área rural.

“Alguém pode ser coletado e o cotonete precisa sair do estado”, diz Garner.

E mesmo um cotonete que é transportado por correio para um laboratório de testes local pode levar mais tempo do que o esperado, se o tráfego estiver pesado ou o clima piorar.

No caminho, o controle de temperatura é importante, diz Kelly da Paradigm. “As amostras devem ser armazenadas nas temperaturas certas.” Os correios geralmente armazenam os espécimes em refrigeradores para transportá-los.

Chegada ao Laboratório

Uma vez que o swab chega ao laboratório, as amostras devem ser registradas.

Em seguida, a rapidez com que ele é testado depende do volume de testes recebidos ao mesmo tempo – e qual é a capacidade do laboratório, levando em consideração a equipe e os equipamentos para analisar as amostras.

O pessoal do laboratório é outro fator. À medida que a demanda por testes aumentou, os laboratórios estão tendo dificuldade em adicionar pessoal suficiente. Os requisitos diferem de estado para estado, diz Garner, mas aqueles que analisam os testes devem ser cientistas de laboratório clínico com treinamento e experiência. E como outras empresas, os laboratórios estão lidando com funcionários que contraem a COVID-19 e devem deixar o trabalho para se isolar.

Funcionários de laboratório em potencial também devem lidar bem com uma situação de alta pressão, diz Kelly. Sua empresa contratou mais 30 trabalhadores nas últimas 3 semanas, elevando o total para 160. Alguns trabalham 7 dias por semana.

O equipamento de teste – ou a falta dele – também pode retardar o processo.

Enquanto Garner diz que muitas vezes perguntam se laboratórios de testes falsos estão surgindo, ele diz que não tem conhecimento de nenhum. E é bastante fácil verificar as credenciais de um laboratório.

Os laboratórios legítimos são certificados pela CLIA — as Emendas de Melhoria do Laboratório Clínico de 1988. Sob a CLIA, os padrões federais se aplicam a todas as instalações ou locais dos EUA que testam amostras humanas para avaliar a saúde ou para diagnosticar, prevenir ou tratar doenças. O CDC tem Ferramenta de pesquisa de laboratório CLIA procurar um laboratório pelo nome para verificar sua certificação.

Os Estados também podem fornecer informações sobre certificação e outros detalhes de testes. Por exemplo, a Força-Tarefa de Testes COVID-19 da Califórnia publica seu lista de laboratório, detalhando locais, número de testes feitos semanalmente e tempos médios de retorno.

Análise no laboratório

Os laboratórios fazem dois tipos de testes para detectar o COVID-19. Os testes de antígeno detectam certas proteínas no vírus.

“Os testes de antígeno baseados em laboratório não são muito diferentes” dos testes rápidos caseiros, diz Milner. Há uma linha de controle e uma linha de teste usada para detectar o vírus.

Os testes de PCR (reação em cadeia da polimerase) detectam o material genético do vírus.

“O RNA é extraído da amostra e purificado por meio de nosso instrumento de extração”, diz Mariah Corbit, gerente de conformidade da Paradigm Laboratories.

Produtos químicos e enzimas especiais são adicionados. Uma máquina de PCR chamada termociclador executa uma série de etapas de aquecimento e resfriamento para analisar a amostra. A tecnologia PCR permite que os cientistas amplifiquem pequenas quantidades de RNA dos espécimes em ADN, que se replica até que qualquer vírus presente seja detectado.

Um dos produtos químicos produz uma luz fluorescente se o vírus estiver na amostra. Esse sinal é detectado pela máquina de PCR.

O teste de PCR também pode fornecer uma ideia de quanto vírus a pessoa tem, diz Chris Johnson, MD, diretor médico da Paradigm Site Services.

Uma vez iniciada a análise, é possível estimar quanto tempo demoram os resultados, diz Milner.

A análise mais longa é para o teste de PCR, que varia de laboratório para laboratório, mas geralmente requer cerca de 1,5 a 2 horas, diz ele. A análise do teste de antígeno “leva no máximo 20 minutos”, diz Milner.

No caso dos testes rápidos de PCR, que prometem resultados em 1-2 horas ou até menos, mas podem custar US$ 300, o tempo de processamento pode ser alterado para obter resultados mais rápidos, diz Milner. E, em geral, um resultado positivo aparece mais rápido que um negativo. “Se você estiver lendo em tempo real, poderá obter um resultado positivo em 20 a 30 minutos e denunciá-lo.”

As instalações que oferecem os testes rápidos podem estar fazendo apenas testes COVID e podem estar processando os testes no mesmo local, diz Milner, permitindo uma resposta mais rápida. “Se eles são certificados pela CLIA, a qualidade desse teste deve ser boa”, diz ele.

A definição de um laboratório de tempo de resposta para os testes não rápidos pode diferir daquela da pessoa que aguarda o resultado. A Quest Diagnostics, por exemplo, diz que seu cronograma de retorno começa no fim do dia em que o espécime é coletado e termina no fim do dia em que os resultados são relatados.

Verificando resultados

Um resultado positivo é relatado como tal, assim como um resultado negativo. “Não há testes de confirmação”, diz Garner. “É por isso que os laboratórios precisam executar testes confiáveis.”

Mas o teste é repetido se o resultado original não for conclusivo, diz Garner. E se não for conclusivo uma segunda vez? “Nós liberamos como indeterminado”, e outro teste pode ser solicitado.

Uma vez finalizado, os resultados são enviados via SMS ou e-mail.

Soluções de longo prazo

Sem a expectativa de desaceleração da demanda no futuro próximo, são necessárias correções de longo prazo.

“Do ponto de vista do laboratório, estamos todos tão frustrados que não temos infraestrutura e capacidade para atender à necessidade”, diz Garner. “Em geral, não construímos a infraestrutura de testes necessária para combater a pandemia”.

No início da pandemia, ele diz, quando a demanda aumentou pela primeira vez, “deveríamos ter encarado isso como uma necessidade de construir a infraestrutura”.

Enquanto isso, os diretores de laboratório sabem como os resultados oportunos são importantes, mas não sacrificam a velocidade pela precisão. “Queremos ter certeza de que é feito corretamente”, diz Kelly.

Fonte: www.webmd.com

Deixe uma resposta