Início Geral OMS diz que não há evidências de que reforços COVID sejam necessários...

OMS diz que não há evidências de que reforços COVID sejam necessários para crianças e adultos jovens saudáveis

0
39

O cientista-chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS), Soumya Swaminathan, disse na terça-feira que não há evidências atuais que sugiram que adolescentes ou crianças saudáveis ​​precisam de doses de reforço da vacina COVID-19.

Falando em uma entrevista coletiva, Swaminathan explicou que são necessárias mais pesquisas sobre as fotos daqui para frente e que a agência está tomando decisões com base na ciência atual.

MODELOS PREDIZEM ONDA DE MORTES OMICRON

“Não há nenhuma evidência agora de que crianças saudáveis ​​ou adolescentes saudáveis ​​precisam de reforços. Nenhuma evidência”, disse. ela disse.

Swaminathan disse que um painel se reunirá no final desta semana para considerar a questão de como os países devem distribuir reforços “com o objetivo de reduzir as mortes”.

As vacinas, ela observou, fornecem níveis de proteção contra doenças graves.

ADMINISTRAÇÃO BIDEN PARA FORNECER CENTENAS DE MILHÕES DE MÁSCARAS N95 GRATUITAS

“Esse é o resultado que mais nos interessa: proteção contra a morte. Contra omicron, muitas das vacinas mostraram uma redução na eficácia contra a infecção. E é por isso que vemos muitas infecções inovadoras. na doença grave”, explicou Swaminathan.

Ela observou que, embora “há algum declínio que ocorre ao longo de um período de tempo” e uma “leve queda” na proteção, o objetivo é proteger os mais vulneráveis ​​e aqueles com maior risco de doenças graves e morte.

“Essas são nossas populações idosas, pessoas imunocomprometidas com condições subjacentes, mas também profissionais de saúde”, acrescentou Swaminathan.

Nos E.U.A, a Food and Drug Administration (FDA) autorizou reforços da vacina Pfizer-BioNTech para uso emergencial em crianças a partir de 12 anos.

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR O APLICATIVO FOX NEWS

A FDA também anunciou no início do mês que pessoas com 12 anos ou mais podem receber doses de reforço da Pfizer após apenas cinco meses, em comparação com o intervalo anterior de seis meses.

Dados dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças mostra que mais de 81 milhões de americanos elegíveis receberam uma dose de reforço até agora.

Fonte: www.foxnews.com

Deixe uma resposta